Vamos despertar o Leão Africano.

domingo, 8 de junho de 2008

John g. Lake (konig)Nasce um Ministério de Cura Divina por



Nasce um Ministério de Cura Divina por

John Lake

Os resultados impressionam: mais de 100.000 curas registradas num período de apenas cinco anos; milagres espetaculares que aconteciam diariamente na África do Sul, causando um impacto profundo em todo o país; multiplicação do dom de cura em dezenas de ministros treinados em seu Instituto de Cura Divina.
Quando ouvimos sobre tais fenômenos, a pergunta mais comum é: Como isso aconteceu? Existe alguma explicação? Como Deus o chamou?
Enfermidade e Morte na Família
Nem sempre é possível encontrar uma resposta que satisfaça nossa lógica humana. No caso de John Lake, porém, fica muito claro que Deus usou um contexto familiar de muita enfermidade e tragédia para gerar a angústia que o levou a buscar incessantemente a verdadeira solução. John fazia parte de uma família de 16 filhos. Embora os pais fossem saudáveis e fortes, havia uma estranha maldição de enfermidade sobre os filhos. Durante trinta e dois anos, pelo menos um membro da família sempre estava gravemente doente. Oito filhos chegaram a morrer.
“Quando lembro de minha adolescência e juventude”, testemunhou Lake, “vem à mente memórias de doenças, médicos, enfermeiras, hospitais e velórios; dos meus pais com corações partidos, lutando para se esquecerem da tragédia a fim de poderem dar assistência aos filhos sobreviventes que ainda precisavam de amor e cuidado.”
O próprio Lake sofreu de uma estranha doença digestiva por nove anos, que quase o matou. Depois de sua conversão, com 16 anos, apesar de não contar com ajuda alguma da igreja ou de outra pessoa, ele resolveu buscar a Deus por si mesmo. Mesmo não vendo resultados imediatos às suas orações, ele creu que a doença fora eliminada, e logo foi curado.
Pouco depois, porém, foi acometido de reumatismo que deixou suas pernas tortas e deformou seu corpo. Aconselhado pelo pastor a ser paciente e suportar a dor e o sofrimento, Lake não se conformou e continuou buscando a Deus. Num lampejo de revelação, viu que a doença não era pela vontade de Deus. Resolveu ir a Chicago, pois ouvira falar do ministério de John Alexander Doewi. Não só presenciou curas e sinais sobrenaturais em outras pessoas, mas experimentou um milagre em sua própria vida. O poder de Deus correu pelo seu corpo e endireitou suas pernas. Foi ali que vislumbrou o que passaria a chamar de evangelho de valentes, a mensagem de que Deus quer tornar as pessoas ousadas, fortes, puras e abençoadas, e que a cura é para todos – até para os não-convertidos. Eram as sementes que viriam a despertar paixão e ousadia nele para o resto da sua vida.
Crise, Desespero – e Cura
Ainda se passaria algum tempo antes que a revelação se completasse para ele. Cinco anos depois do casamento de John e Jennie, a família Lake ainda estava cercada de enfermidades. Um dos irmãos estava inválido havia 22 anos. O pai gastara uma fortuna tentando encontrar um tratamento que resolvesse; tudo, porém, em vão. Estava agora no leito da morte, sangrando nos rins. John disse depois que nunca conhecera alguém que havia sofrido tanto – e por tanto tempo – quanto esse irmão.
Além dele, uma irmã, com 34 anos de idade, estava morrendo de câncer de mama. Depois de ser operada para remover um tumor raiz, mais quatro tumores haviam aparecido. Os médicos não tinham mais o que fazer. Uma outra irmã estava morrendo de hemorragias internas.
Para completar o quadro, a esposa de John estava com problemas muito sérios no coração e nos pulmões (tuberculose). Tinha desmaios freqüentes; às vezes, John a encontrava inconsciente no chão. O uso de estimulantes cada vez mais fortes para reavivar o coração a deixava em estado semiparalítico durante semanas.
Cercado por doença e opressão, Lake sentia-se totalmente impotente. Onde estava o evangelho de valentes que descobrira? Seria forte suficiente para reter essa poderosa onda destruidora?
Em desespero, voltou-se para o lugar onde encontrara socorro da primeira vez: o Lar de Cura Divina de Dowie em Chicago. Primeiro resolveram levar o irmão que estivera inválido por 22 anos, que foi curado instantaneamente ao receber a imposição de mãos! Levantou-se do seu leito de morte e andou mais de seis quilômetros a pé. Voltou para casa e começou a trabalhar no negócio do pai, completamente reabilitado.
Grande alegria e esperança brotaram na família. Rapidamente, pegaram a irmã com câncer e levaram-na para Chicago numa maca. No íntimo, ela estava dizendo: “Outros são curados porque são muito bons. Receio que não haja cura para mim”. Não havia muita fé ou confiança no seu coração. Porém, no meio do culto, Dowie desceu do púlpito e foi orar com ela. Em poucos dias, o tumor ficou totalmente preto. Um dia, John olhou e viu que o tumor estava soltando-se do corpo. Então, pegou-o com a mão e puxou; saiu inteiro, cheio de raízes, algumas mais espessas, outras tão finas como uma linha ou um fio de cabelo. Depois disso, o seio mutilado foi crescendo até tornar-se perfeito outra vez!
Depois foi a vez da irmã que estava com fluxo de sangue. Certa noite, a mãe ligou para John avisando que deveria ir imediatamente à casa dessa irmã se quisesse vê-la ainda viva. Ao chegar lá, ela estava inconsciente, o corpo frio. Não havia pulso. Os pais estavam ajoelhados ao lado da cama, chorando. O marido estava desconsolado ao pé da cama, e o bebê, no berço.
Um grande clamor subiu a Deus do profundo do interior de Lake, como nunca sentira antes. A irmã não podia morrer, ele não podia consentir nisso. Jesus não morrera por ela? O poder de Deus para curar não fora demonstrado já em favor dos outros irmãos?
Não havia palavras para expressar o clamor. Uma chama de indignação contra a morte e a enfermidade foi acesa pelo Espírito de Deus. A própria ira de Deus parecia possuir a alma de Lake. Ele descobriu que há momentos em que o nosso espírito pode conectar-se com o espírito de outra pessoa e segurá-lo de tal forma a não permitir que escape. Era isso que estava acontecendo naquele instante.
Ao mesmo tempo, ele sentia necessidade de mais apoio. Só conhecia uma pessoa que poderia ajudá-lo naquele momento: Alexander Dowie. Só que Dowie estava a quase 1.000 km de distância. Lake, então, enviou um telegrama: “Parece que minha irmã morreu, mas meu espírito não quer aceitar. Eu creio que se você orar, Deus pode curá-la”. Logo veio uma resposta: “Fique firme em Deus. Estou orando. Ela vai viver”.
A força dessa fé, apesar da distância, acendeu ainda mais o coração de Lake, e “os raios da sua alma começaram a reluzir”. “Este mal que veio do inferno não pode ficar; não ficará”, ele orou. “No nome de Jesus Cristo, eu revogo a morte e a doença, e ela viverá.”
Assim que terminou de orar, ele olhou para a cama e viu as pálpebras da irmã se mexerem. A princípio, não sabia se era mesmo verdade. Mas ela voltou à consciência e foi curada!
Conformar-se? Jamais!
Agora só havia mais um caso de enfermidade na família: Jennie, esposa de Lake. Apesar de toda a alegria e celebração por conta das outras curas, ela permanecia acamada. Haviam experimentado o poder de Deus, mas parecia que a plena revelação ainda não chegara. O que estava faltando?
Enquanto isso, dia a dia, a morte se aproximava mais de Jennie, querendo reivindicar seu direito de levá-la. Numa determinada noite, quando parecia que a hora final estava chegando, um amigo pastor veio fazer uma visita. Depois de contemplar a situação por alguns instantes, o pastor saiu do quarto com Lake. “Irmão Lake”, ele disse, “você precisa se conformar com a vontade de Deus.”
As palavras atingiram Lake como se fossem um tapa na cara. Quanto mais pensava nelas, mais irado ia se tornando. O que ele estava dizendo? Que deveria deixar sua esposa morrer? Onde estava a força do evangelho?
De repente, surgiu uma forte reação na alma de Lake, um verdadeiro vento impetuoso, uma tempestade. Isso não seria um insulto para Deus?
Ao voltar para casa, Lake pegou uma Bíblia da estante e a jogou em cima de uma mesa. “E, então, onde está o poder – especialmente agora, quando mais preciso dele?”
A Bíblia caiu aberta em Atos 10, e foi o versículo 38 que chamou sua atenção: “Como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e poder, o qual andou por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os OPRIMIDOS DO DIABO, porque Deus era com ele”.
Lá estava a resposta. Lake a enxergou: Jesus é quem cura, enquanto que Satanás é o opressor. Era Satanás quem havia coberto Lake e toda sua família com opressão e tristeza, enfermidade e morte. Até então, embora já tivesse entendido que a enfermidade não fosse de Deus, Lake ainda não concluíra que por trás de todas essas tragédias estava o diabo. Além disso, ele entendeu agora que Deus estava com ele, não só com Dowie ou algum outro evangelista famoso. John Lake também poderia orar, e os doentes seriam sarados.
Com mais ímpeto ainda, os ventos sopravam no seu interior. Jennie seria curada, e cabia a ele fazer algo a respeito. Estava claro contra quem devia lutar – Satanás. Estava claro que Jesus lhe havia dado o poder e o direito de fazer algo a respeito disso.
Com firmeza, Lake avisou a amigos e familiares: no dia 28 de abril de 1898, às 9h30 da manhã, ele imporia as mãos sobre a esposa, e ela seria curada. Todos foram convidados a se unirem em oração no mesmo horário.
Foi exatamente isso que aconteceu! Lake impôs as mãos sobre Jennie: a paralisia a deixou, a tosse acabou, o coração voltou ao normal, a temperatura e a respiração, também. Então, com uma voz tão ousada quanto a do marido, Jennie exclamou: “Louvado seja Deus, estou curada!” Lake ficou atônito. Há anos, não ouvia dela uma voz tão forte assim.
A exclamação de Jennie ressoou pela cidade, pela região, pelo país. Jornais noticiaram o acontecimento. Daquela manhã em diante, as pessoas em necessidade nunca mais pararam de invadir a vida da família Lake.
Acabava de nascer um ministério de cura divina. Desde menino, John Lake havia buscado o caminho para alcançar o poder de Deus – como se quisesse ter acesso aos raios da energia divina e trazê-los para as vidas em sofrimento. Finalmente, a resposta viera – mas os efeitos só estavam começando....

Um comentário:

GILBERTO disse...

"Cura Divina da AIDS!"

Nascido em 20/8/1962 e criado na Zona Sul do Rio de Janeiro. Venho de
uma família de classe média toda voltada ao espiritismo. Sou filho de
Marilu Scalzo Legey e Milton Pereira Legey (In Memorium), famoso
compositor das décadas de 50 e 60, autor de várias músicas famosas,
dentre elas: Fósforo Queimado, Rolei Rolei etc. Meu pai era irmão de
Aloysio Legey, diretor de núcleo de vários programas da Rede Globo de
televisão (Criança Esperança, Desfile das Escolas de Samba, Show da
Virada etc.), do qual sou sobrinho e afilhado. Fiz faculdade de
Letras(Port/Ing) e academia de artes maciais (Jiu-Jitsu/faixa-preta).
Aos 18 anos, herdei do meu avô materno uma construtora, Arthur Scalzo
& Cia Ltda. Fiquei rico, tinha poder, mulheres, carros, viagens etc. e
tudo mais que o mundo poderia oferecer de melhor.

"Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo
consomem, e onde os ladrões minam e roubam" (Mateus 6:19)

Aos 21 anos, me tornei dependente químico e chegei a usar todas as
drogas, tendo tido inclusive 3 overdoses. Com as drogas vieram a perda
de caráter, da personalidade, a prostituição e a falência. Para
tentar não cair de padrão de vida entrei na marginalidade e no mundo
do crime, passando a comprar carros roubados, posteriormente roubando
os própirios carros, emitindo cheques sem fundos, realizando golpes e
participando de falcatruas. Fui preso, julgado e condenado a 23 anos
pelos diversos crimes cometidos. Participei de diversas rebeliões,
motins, greves de fome etc. Cumpri 8 anos em regime fechado em diversos
presídios: Presídio Ary Franco (Água Santa), Instituto Penal Edgard
Costa (Niterói), Presídio Hélio Gomes e Penitenciária Lemos Brito
no extinto Complexo Penitenciário da Frei Caneca/RJ e 4 anos em regime
semi-aberto no Instituto Penal Plácido Sá Carvalho no Complexo
Penitenciário de Gericinó/RJ. Lá deparei-me com o Diretor Paulo
Roberto Rocha, que tinha sido meu aluno de defesa pessoal quando fez
prova para o DESIPE. Ele foi um dos precursores a incentivar o
convênio para usar a mão de obra carcerária para trabalhar nas ruas,
e posteriormente assassinado na Av.Brasil.

Em 1998, conheci a pessoa que me mostraria a palavra de Deus, e que hoje
é a minha amada esposa, a Missionária Verônica Legey, uma Varoa
Valorosa que foi obediente ao Senhor e me ganhou para Jesus indo me
evangelizar no cárcere.

"Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus
ajuntou não o separe o homem." (Mateus 19:6)

Em 2001, como falei, foi feito um convênio entre a Secretaria de
Justiça, a Fundação Santa Cabrini, a Secretaria de Administração
Penitenciária e a CEDAE, pelo então Governador do RJ, Anthony
Garotinho e o diretor da CEDAE/Zona Oeste na ocasião, Alcione Duarte.
Consegui então, um emprego digno onde trabalhei até Dezembro/2006 na
CEDAE.

"Veio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado
abundou, superabundou a graça" (Romanos 5: 20)

Mas, depois de tantos pecados e orgias, colhi o que plantei. Descobri
que estava com AIDS. Passei 3 anos tomando os coquetéis
anti-retrovirais. Participei de uma campanha feita pelo Pastor Ricardo
Barros de Belo Horizonte/MG, que tem o Ministério da cura...

"Ele é o que perdoa todas as tuas iniqüidades, que sara todas as tuas
enfermidades" (Salmos 103:3)

Deus continua operando os mesmos milagres de 2000 anos atrás, Deus
curou-me da AIDS. Tenho os exames comprovando a cura. Basta aceitá-lo,
arrepender-se, converter-se dos maus caminhos e ter Fé, pois sem Fé é
impossível agradar a Deus.
Deus ainda me deu o Ministério do dom da Unção da Cura e
Libertação, e para Honra e Glória do Senhor Jesus, temos sido usados
como um canal abençoador de vidas por todos os lugares que passamos
dentro e fora do Estado, para que o nome do Senhor seja Exaltado e
Glorificado.
Hoje trabalho só pra Deus, sou Ministro do Evangelho, consagrado e
ungido como Pastor. Congrego na Assembléia de Deus Pentecostal
Ministério das Últimas Horas - Recreio/RJ - Pastor Presidente:
Sérgio Luiz Ferreira Alves.

"E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e
buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu
ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra."
(2 Crônicas 7:14)

"Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que
aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é
galardoador dos que o buscam." (Hebreus 11:6)

Este é apenas um resumo das maravilhas que Deus fez na minha vida.
Convites para pregações, testemunho, palestras sobre dependência
química, DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis), congressos etc,
entrem em contato comigo:

Pastor Gilberto Legey
Tels.: (21)2406-2255 ou (21)9847-1444
E-mail: gilbertolegey@cooperadoresdedeus.com;
MSN: gilbertoscalzolegey@hotmail.com
Site: www.cooperadoresdedeus.com